Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/12/20 às 10h26 - Atualizado em 11/05/21 às 19h26

Novo Ensino Médio, com capacitação para universidade e oferta de grau técnico

Inscrições para estudar na rede pública estão abertas até dezembro – não deixe para a última hora!

 

Redação:Thaís Rohrer | Edição: Ugo Braga | Ascom/SEEDF

 

 

Foto: Luis Tavares/Ascom SEEF

✎﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏﹏

 

Preparação intensificada para Enem, resgate e avanço das aprendizagens e implantação do Novo Ensino Médio em 2021. Essas sãanovidades que a rede pública vai oferecer aos estudantes no ano letivo que está chegando.

“A ideia desses projetos é oportunizar a aprendizagem de acordo com as necessidades pedagógicas de cada série. Todas as ações foram pensadas buscando meios de manter professores e estudantes motivados em todo esse processo”, frisa Érika Botelho, gerente de Integração Curricular com a Educação Profissional da Diretoria de Ensino Médio da Secretaria de Educação do DF (SEEDF).

 

O Prepara Enem começou neste ano e segue em 2021. O projeto é voltado para estudantes da 3ª série do Ensino Médio. Claro, como o próprio nome diz, visa capacitá-los para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

 

O programa continuará sendo realizado por intermédio de recursos digitais com aulas ao vivo por meio do YouTube no próximo ano. As gravações também ficarão disponíveis para aqueles que não conseguirem participar no dia da aula e como ferramenta para posterior revisão de conteúdos.

 

Os estudantes também receberão orientações com técnicas de resolução de questões e orientações relacionadas à preparação emocional para prova.  Materiais de apoio também ficarão disponíveis na plataforma online.

 

Em 2021, o Prepara Enem vem com novidade de oportunizar essas ações também para aqueles estudantes que já concluíram o Ensino Médio. Os egressos poderão participar de todas as ações elaboradas pela SEEDF quando as atividades presenciais forem retomadas, bem como continuar acessando o Google Sala de Aula, mesmo não estando mais matriculados formalmente na rede pública.

 

 

 ✎◞ Resgate e avanço das aprendizagens

 

Foto: Mary Leal/ASCOM SEEDF

Essa ação surgiu como resposta à necessidade de recuperar e consolidar as aprendizagens em função do cenário de pandemia da Covid-19 vivido nesse ano. Um dos focos é o replanejamento do Currículo em Movimento do Ensino Médio, de modo a possibilitar o resgate das aprendizagens que não foram alcançadas em 2020.

 

Partindo dessa necessidade de revisão de conteúdos, as propostas de trabalho nas escolas deverão ser elaboradas observado as singularidades do contexto social e educacional que os estudantes daquela comunidade estão inseridos. Todas as ações devem observar o currículo integrado, ou seja, que alia ações teóricas e práticas no processo educacional. As unidades escolares também devem utilizar os conteúdos de maneira multidisciplinar com a união de vários conteúdos e matérias no dia a dia educacional.

 

 

 ✎◞ Novo Ensino Médio

 

Foto: Mary Leal/Ascom SEEDF

O ano de 2021 segue com a implantação do Novo Ensino Médio na rede pública. Em 2020, o processo começou em 12 escolas pilotos e tem três características principais. A primeira mudançé que o regime de oferta passa a ser semestral, ou seja, os três anos serão divididos em seis semestres letivos.

 

O segundo ponto é que a carga horária das aulas no Ensino Médio será unificada e funcionará por meio de créditos — similar ao que ocorre nas universidades. Assim, o aluno poderá se matricular nas matérias que têm interesse entre aquelas opções oferecidas pela escola.

 

A carga horária total do Novo Ensino Médio é de 3.000 horas ao longo de três anos, dividida em 2 blocos. O primeiro é de Formação Geral Básica (FGB) com 1.800 horas, que engloba as quatro áreas do conhecimento e será comum para todos os estudantes:

 

 Linguagens e suas tecnologias: arte, educação física, língua portuguesa e língua inglesa;

• Matemática e suas tecnologias: matemática;

 Ciências humanas e sociais aplicadas: filosofia, geografia, história e sociologia;

 Ciências da natureza e suas tecnologias: biologia, física e química.

 

As outras 1.200 horas englobam a parte flexível, chamada de Itinerários Formativos (IF). Nessa parte, os jovens têm a liberdade de escolher as áreas de interesse que mais tem afinidade para aprofundar os estudos. Os alunos podem avaliar as matérias que estejam em sintonia com seus projetos de vida para decidir o que vão cursar. Veja as cinco áreas ofertadas:

 

Linguagens e suas tecnologias;
 Matemática e suas tecnologias;
 Ciências humanas e sociais aplicadas;
 Ciências da natureza e suas tecnologias;
Educação Profissional e Técnica.

 

A SEEDF está acompanhando as mudanças do Novo Ensino Médio com atualização dos procedimentos de suporte aos docentes e alunos, bem como avaliando o processo de trabalho pedagógico. Além disso, está desenvolvendo novas metodologias de ensino que estão sendo incorporadas à rotina escolar.

 

Outra açãé que a SEEDF terá a oferta de cursos de educação profissional nas unidades parceiras do Sistema S (Senac e Senai) àqueles estudantes que optarem pelo itinerário formativo de Educação Profissional Técnica.

 

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), a Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) também são parceiros da Secretaria com a proposta de cursos de formação para os professores.

 

 ✎◞ Nas ondas da rádio

 

Um projeto que surgiu em meio à pandemia para atrair os estudantes do Centro Educacional Taquara, uma escola do campo localizada em Planaltina, seguirá como iniciativa de sucesso em 2021. Uma rádio jovem e vibrante contagiou estudantes, professores e colaboradores do local. O objetivo da ação foi uma busca ativa pelos alunos através das redes sociais com um programa gravado semanalmente. A programação inclui os principais avisos da escola, da comunidade, dos professores, músicas, histórias para os pequeninos, mensagem meditativa, esporte e saúde na pandemia, recadinhos, entre outros assuntos.

 

 “Os alunos e familiares se divertem e participam. Há pais que acordam cedo e enquanto preparam o café, ouvem nosso programa. Assim se atualizam e levam as mensagens adiante. A equipe do CED Taquara enxergou a pandemia como uma oportunidade de desmistificação da forma de aprender e ensinar. Um aprendizado novo e inesperado veio com a utilização de ferramentas tecnológicas”, conta Alexandre Lopes, professor do CED Taquara e idealizador do projeto.

 

A reinvenção dos modos de ensinar e aprender, que foram tão experimentados neste ano, segue como legado positivo. Essa é a visão partilhada por Maria Clara Cordeiro, estudante do 2º ano do Ensino Médio, que é âncora da Rádio Web Taquara.

 

“Uma experiência nova, boa e que gostei muito. Vou levar para vida toda! No início não achei fácil, mas os professores foram nos ajudando.  Eu comecei fazendo a locução da rádio e agora incentivo outros alunos a participarem também. Essa rádio web é muito boa porque você tem oportunidade de ouvir fazendo outras coisas no seu dia a dia, enviar para outras pessoas e multiplicar o conhecimento”, afirma.

 

 ✎◞ Tecnologias para educação

 

Foto: Álvaro Henrique, Ascom/SEEDF

Experiências exitosas com a utilização de tecnologias ficaram mais necessárias e evidentes no contexto social de 2020. Esse estilo de ensinar segue forte em 2021, já que as escolas continuarão se valendo dessas ferramentas em favor da aprendizagem.

 

O Centro de Ensino Médio 1 de Planaltina é uma das unidades que serve de inspiração no uso das tecnologias. A escola traz conteúdos no YouTube sobre física experimental, blog da escola com conteúdos para preparação para o PAS e Enem. O Blog do Centrão é atualizado por professores readaptados ou com restrições da unidade. Ele foi criado com objetivo de auxiliar estudantes e professores regentes com materiais pedagógicos que podem ser utilizados no Google Sala de Aula, bem como ajudar a diminuir perdas pedagógicas.

 

“A ideia foi bem recebida por toda a comunidade escolar: os alunos, que encontraram um local de suporte ao estudo para os processos seletivos e, melhor ainda, um local produzido pela própria escola; os professores regentes que indicam e relacionam o Blog às salas virtuais; e os redatores, que são os professores readaptados ou com restrição, que se sentiram valorizados e integrados à realidade do ensino virtual, confirmando a decisão inicial de ir além: além de 2020!”, frisa Everaldo Lima, vice-diretor do CEM 01 de Planaltina.

 

Outra proposta trabalhada pela escola é o projeto de matemática que utiliza jogos, curiosidades, desafios e história da matemática e debates de temas da atualidade. Partidas de xadrez, mancala, pachisi, rummikub, entre outras, são utilizadas como ferramenta para abordar o contexto histórico, regras e para explorar a matemática por trás dos jogos. No período de ensino remoto, os jogos foram realizados com recursos digitais e simulações virtuais.