Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/04/18 às 16h06 - Atualizado em 13/04/18 às 16h27

Aberta temporada de cinema em escolas

COMPARTILHAR

Festival de Filmes Curta-Metragem dá visibilidade à produção audiovisual dos estudantes da Rede Pública de Ensino e traz novos processos de aprendizagem

 

Thaís Rohrer, Ascom/SEEDF

 

Vladimir Luz, ASCOM/SEEDF

Pelo quarto ano consecutivo, o estudante da escola pública do Distrito Federal tem a oportunidade de libertar o cineasta que existe nas salas de aula. O Festival de Filmes Curta-Metragem das Escolas Públicas de Brasília, criado em 2015, comprova que basta um celular, tablete ou câmera portátil para entrar nesse mundo do cinema. Neste ano, a garotada terá mais uma chance de colocar seu trabalho na telona: o pré-lançamento do festival para 2018, que tem o tema O que você tem a ver com a corrupção?, ocorreu nesta sexta-feira (13).

 

A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), por meio da Gerência de Produção e Difusão de Mídias Pedagógicas – GMIP/Canal E, promove o Festival . O secretário de Educação, Júlio Gregório Filho, acredita muito na importância de projetos de cinema e arte nas escolas. “Em vez de brigarmos com os alunos que estão com celulares nas mãos, por que não fazer do celular um meio de aprendizado? Iniciativas como essa do Festival deixam o processo de ensino mais criativo e alegre. Temos que mudar a escola com iniciativas brilhantes como essa!”, destaca.

 

O festival é realizado em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura do Distrito Federal (Secult), que abre espaço na programação paralela do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro para a exibição dos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes da rede pública. É um grande incentivo, visto que, a cada ano, a produção só aumenta. Em 2015, foram inscritos 101 curtas, com a participação de cerca de 2 mil estudantes. Nos anos seguintes as produções cresceram, chegando a 103 curtas em 2016 e 163 em 2017, com a respectiva participação de 3 mil alunos em ambos os anos. Com o aumento da adesão, espera-se, para 2018, a execução de aproximadamente 200 curtas.

 

Em cada edição do festival de cinema escolar, é feita uma homenagem a uma figura de relevância para a produção cinematográfica. Esse ano, a homenagem do evento terá um foco diferenciado: ela irá para a professora Laura Maria Coutinho, que é uma incentivadora assídua do cinema como parte do processo educacional. Doutora em Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte pela Universidade Estadual de Campinas, a homenageada fala da emoção em receber esse reconhecimento. “Minha primeira profissão é educadora e eu juntei a educação e o cinema para levar isso para vida dos estudantes. É necessário o desenvolvimento dessa dimensão audiovisual nas escolas”, destaca.

Mobilização e entusiasmo

Alunos do Centro de Ensino Fundamental 209 de Santa Maria ganharam dois prêmios na edição de 2017 e querem repetir o desempenho nesse ano. O curta “A Revolução das Cadeiras” ganhou dois troféus: por melhor filme e melhor adaptação do tema do ano. “Foi muito legal fazer parte do Festival no ano passado porque participamos de todas as partes do processo, desde roteiro até a pós-produção. Em 2018, estamos ainda mais animados”, comenta o estudante “cineasta” Alexandre Kabia.

 

Esse ano eles prometem causar muito alvoroço com o curta-metragem “Smiles”. O professor Genílson Dias, do CEF 209, acompanha todo o processo e comenta a evolução dos estudantes. “Eles estão cada vez mais entendidos e críticos das produções cinematográficas. Esse processo traz crescimento pessoal para os alunos e melhora diversas áreas, como a criatividade”, afirma.

 

No evento de pré-lançamento do 4º Festival de Filmes Curta-Metragem das Escolas Públicas de Brasília, os estudantes do Centro de Ensino Médio Paulo Freire mostraram um teaser do curta “Lendas Urbanas: a loira do banheiro. O objetivo foi dar um gostinho de suspense, uma prévia do que vão apresentar nesta edição. Ao contrário dos alunos do Centro de Ensino Fundamental 5 do Gama, que já estão preparando o curta que apresentarão no Festival, mas mantém mistério sobre a produção. “Não queremos dar muitos detalhes para não perder a graça, mas seremos polêmicos e diferentes nesse ano”, comenta a “cineasta” Rebeca Fontinele.

Inscrições em breve. Fiquem ligados!

O edital e o período de inscrições para o 4º Festival de Filmes Curta-Metragem das Escolas Públicas de Brasília serão publicados em breve. A Secretaria de Educação vai divulgar as informações no site e nas mídias sociais.

 

Para inscrever-se no 4º Festival, o estudante só precisará de um celular, de uma câmera ou filmadora digital. A produção fílmica deverá ter até cinco minutos de duração, abordando tema livre – para premiação geral ou tema específico: “O que você tem a ver com a corrupção?”, para premiação na categoria abordagem do tema.

 

Diversos gêneros cinematográficos podem ser utilizados, à exceção de filmes institucionais, publicitários, propaganda política partidária ou que contenham teor pornográfico. Os filmes dos estudantes estarão concorrendo a nove categorias, entre elas: Montagem, Direção, Fotografia, Roteiro, Ator, Atriz, Abordagem do tema, Melhor Filme pela Comissão Julgadora e Melhor Filme pelo Júri Popular.

 

As 30 produções fílmicas mais bem avaliadas serão exibidas no 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, dias 17 e 18 de setembro, e nos sites oficiais das secretarias de Educação e de Cultura do Distrito Federal. Os estudantes vencedores ganharão troféus e oficinas voltadas para a área do audiovisual, sendo oferecidas pelo Centro Universitário IESB e o Espaço Cult.

 

4ª temporada do festival de cinema da escolas publicas