Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/02/19 às 17h09 - Atualizado em 12/02/19 às 17h09

Aulas começam com carência zero de professores

COMPARTILHAR

 

O Programa Educação Sem Carência garantiu professores em todas as salas de aula da rede pública: 10 mil profissionais levam educação aos estudantes

 

O início do ano letivo da rede pública de ensino do Distrito Federal foi marcado pelo sucesso do programa Educação Sem Carência: 10 mil profissionais, entre temporários e efetivos, reforçaram o time da Secretaria de Educação (SEEDF) e garantiram o suprimento das carências de professores, coordenadores e gestores, demanda gerada devido a licenças médicas ou pela recomposição das equipes das regionais e das subsecretarias da pasta. No domingo (10), véspera da volta às aulas, foi declarada a Educação Sem Carência em todo o DF.

 

Foto: Vladimir Luz, Ascom/SEEDF

Para atingir o objetivo de levar educação de excelência aos cerca de 460 mil estudantes da rede pública do DF, 400 profissionais da casa trabalharam diretamente no programa para que nos primeiros dias do ano letivo 2019 não houvesse falta de professores. Nas últimas duas semanas, esta equipe trabalhou nos finais de semana e chegou a virar noites para cumprir sua missão. Até esta terça-feira (12), a meta está sendo atingida com êxito.

 

Desde segunda-feira (11), todas as salas de aulas de todas as escolas, nas 14 regionais de ensino, estavam com professores prontos para ensinar. De imediato, a Secretaria convocou 4 mil temporários para substituir professores que exercem atividades de diretores, vices, coordenadores e supervisores pedagógicos. As demais 6 mil carências foram supridas com efetivos e temporários.

 

“O programa 9 meses antes da volta às aulas. Começa antes do procedimento de remanejamento, procedimento online que permite a cada professor, dentro das carências abertas, escolher em qual a unidade escolar e modalidade quer atuar no ano seguinte. Após o período de remanejamento é feito um planejamento junto a todos os gestores das 670 escolas. O atendimento é feito de forma individual e personalizado, levando em conta as demandas de cada unidade”, explica a subsecretária de Gestão de Pessoas da SEEDF, Kelly Cristina Bueno.

 

A subsecretária conta que o processo é pensado nos mínimos detalhes. “Esse planejamento acontece durante todo o mês de janeiro e espera-se o dia da escolha de turmas, que neste ano aconteceu em 4 de fevereiro. No dia seguinte é disponibilizado todas as carências, para, primeiramente, os efetivos que não tem unidade escolar escolhida e, depois, para os temporários que irão suprir as carências dos gestores, coordenadores, de afastamento como licença medica, afastamento para estudo, remanejamento de professores para atuar em funções gratificadas, cargos comissionados e atividades técnico-pedagógicas”, completa Kelly.

Leia também...