Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/03/21 às 17h48 - Atualizado em 23/03/21 às 10h36

Aumento de 185% no acesso às aulas virtuais

COMPARTILHAR

Plataforma Google Sala de Aula registra mais de 467 mil acessos nos três primeiros dias do ano letivo

 

Íris Cruz, Ascom/SEEDF

 

Foto: Álvaro Henrique, Ascom/SEEDF

 

Nos primeiros três dias no ano letivo 2021, a plataforma Google Sala de Aula da Secretaria de Educação, usada pelos estudantes da rede pública de ensino no DF, registrou 467.614 acessos. O número é 185% maior que os 163.601 registros do ano passado, quando a ferramenta começou a ser usada.

 

Para o subsecretário de Planejamento, Acompanhamento e Avaliação (SUPLAV), Ernany Almeida, o aumento expressivo se dá pelo fato de a comunidade escolar estar familiarizada com a mediação das aulas pela tecnologia.

 

“Conseguimos, através de ações exitosas, mobilizar a comunidade no engajamento à adesão às aulas on-line, de forma que a quantidade de acessos on-line à plataforma, comparados ao número de estudantes matriculados na rede de ensino, são números muito próximos da quantidade de alunos que frequentam a escola normalmente”, diz.

 

Número de acessos nos três primeiros dias de cada ano
CRE   2020 2021
Brazlândia 2.572 13.731
Ceilândia 57.848 70.644
Gama 4.490 32.920
Guará 338 19.500
Núcleo Bandeirante 2.828 26.951
Paranoá 411 16.760
Planaltina 30.027 36.185
Plano Piloto 19.018 66.686
Recanto das Emas 863 23.366
Samambaia 9.984 40.190
Santa Maria 3.365 25.225
São Sebastião 2.897 15.353
Sobradinho 4.635 24.770
Taguatinga 24.325 55.333
Total   163.601 467.614

 

img-responsiva Clique no gráfico abaixo e acesse a apuração dos dados ao longo do ciclo

 

Ainda de acordo com o subsecretário, apesar da pandemia, a rede pública busca aprimorar o processo de aprendizado no meio virtual. “Os dados indicam um grande avanço ao percebermos que os estudantes e responsáveis estão conseguindo acompanhar o que é proposto pelos professores de maneira clara e acessível. A plataforma Escola em Casa, aliada à contratação de Internet reversa, é uma alternativa de ensino eficaz e com grande capilaridade no público-alvo”, acrescenta.

 

A Secretaria de Educação acompanha a evolução dos dados da plataforma para atender todos os estudantes de forma uniforme e em condições adequadas.

 

“Estamos fazendo um esforço conjunto executado pela equipe técnica, que deu todo o suporte para que a plataforma Escola em Casa estivesse pronta para uso, com os estudantes cadastrados e habilitados, professores preparados para aderir ao ambiente virtual e ministrar suas atividades. Além disso, há o trabalho realizado junto às Coordenações Regionais de Ensino. Juntos, temos que monitorar o tempo inteiro para que possíveis falhas sejam corrigidas durante o uso da plataforma”, enfatiza Ernany Almeida.