Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/11/19 às 16h03 - Atualizado em 28/11/19 às 18h29

Comunidade escolar reelege diretores das escolas de Gestão Compartilhada

COMPARTILHAR

A comunidade do CEF 407 de Samambaia, que havia rejeitado a implantação em agosto, referendou sua direção nesta eleição

 

Nathália Borgo e Thais Rohrer, Ascom/SEEDF 

 

Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

A comunidade escolar, formada por pais, mães, responsáveis, estudantes, professores e servidores, reelegeu todos os diretores das escolas do programa de gestão compartilhada. As chapas formadas por gestores favoráveis ao programa venceram nas nove unidades onde a gestão já foi implantada e nas três onde está em implantação. Oito escolas tiveram chapa única e quatro com duas chapas cada. Desta forma, é a segunda vez que a comunidade escolar aprova o programa. Na primeira, aprovou sua implantação. Agora, reelegeu os gestores.

 

A única escola do programa que havia rejeitado o projeto na votação para sua implantação o referendou nas eleições desta quarta-feira. A comunidade escolar do CEF 407 de Samambaia reelegeu a direção da unidade. O resultado reafirmou o apelo feito pela comunidade naquela ocasião, em agosto, quando solicitou à Secretaria de Educação que revisse o resultado da votação de implantação. A Secretaria reconsiderou e o modelo foi implementado com apoio da comunidade.

 

Mais força em 2020

 

“A comunidade escolheu a gestão compartilhada e as votações fazem acreditar que em 2020 o programa terá ainda mais cor e força”, disse a diretora do CED 7 de Ceilândia, Adriana de Barros Souza. A chapa 1, formada por ela e pela candidata a vice-diretora Cristiane Alves Araújo, venceu com 70% dos votos. Adriana disse que aprendeu a administrar os ambientes que comportam os contrários. “Na verdade, essa experiência enriquece e aprimora o modelo da gestão compartilhada”, afirmou.

 

“É muito claro o papel da gestão pedagógica e o da gestão disciplinar. Não há interferência nenhuma na sala de aula. A direção pedagógica e a direção disciplinar desde o início falaram a mesma língua aqui no CED 7”, confirmou o subcomandante disciplinar, tenente Lindomar de Jesus.

 

Equipe gestora do CEd 07: Diretora Adriana de Barros, vice-diretora Cristiane Alves e subcomandante disciplinar, tenente Lindomar de Jesus. Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

Adriana conta que depois da parceria com a Polícia Militar a escola passou a oferecer vários projetos:

 

“Hoje agregamos futsal, jiu-jitsu, karatê, pintura em tela e até ensino do idioma russo nos dois turnos, estendido também aos estudantes especiais, que se identificam e fazem tão bem as atividades quanto os alunos regulares”.

 

Agora meta número um do CED 7 agora é qualificar as oportunidades dos estudantes. “Se nós qualificarmos a escola, a gente também qualifica essas oportunidades que os estudantes têm”, afirma a vice-diretora reeleita. A segunda meta é minimizar as taxas de evasão escolar.

 

Cristiane conta que a escola tem muitos alunos trabalhadores que usam os estágios do Programa Aprendiz Social como uma forma de complementação ou até mesmo uma das principais rendas da família. As principais oportunidades são em lanchonetes ou padarias.

 

Jovens eleitores aprovam

 

A proposta também foi abraçada pelos estudantes com idade para votar nesse pleito, vai ao encontro das metas da direção. Starley Pereira da Silva, do 1° ano do ensino médio, que entrou no CED 7 em 2014, lembrou que, naquela época, o tráfico funcionava na escola:

 

“Antigamente existia uma boca de fumo. Quando elas chegaram (diretora e vice-diretora) mudou tudo. Com a gestão compartilhada mudou para melhor ainda. Aqui era muito inseguro, agora estamos tranquilos. Foi bom para toda a comunidade”, relatou.

 

Para Emmyli Vitória Gomes, do 8° ano, a gestão compartilhada foi um ganho que dá esperanças para ela e os colegas:

 

“Tem muita gente que tem sede de aprender só que não pode porque a escola não dá uma oportunidade. Aqui tudo é bom, não só os projetos de esporte, mas todas as disciplinas”.

 

Lucas Vinícius Batista, do 1º ano, faz parte do grêmio estudantil e concorda com Emmyli:

 

“Os professores aqui tem o objetivo de ensinar e buscam os melhores meios. Eu votei na chapa 1 justamente pela preocupação também em entender a vontade dos alunos, e isso para a escola é muito bom”.

 

Emmyli Vitória Gomes, do 8° ano e Lucas Vinícius Batista, do 1º ano. Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

100% REELEITOS

Unidade escolar Número de chapas
CED 3 de Sobradinho Chapa única
CED 1 da Estrutural Chapa única
CED 7 de Ceilândia Duas chapas
CED 308 do Recanto das Emas Chapa única
CED Condomínio Estância III de Planaltina Chapa única
CEF 407 de Samambaia Chapa única
CED 1 do Itapoã Chapa única
CEF 19 de Taguatinga Chapa única
CEF 01 do Núcleo Bandeirante Duas chapas
CED 416 de Santa Maria Chapa única
CEF 1 do Riacho Fundo II Duas chapas
CEF 5 do Gama Duas Chapas

 

📷 Veja mais fotos

______
Leia mais

Escolas sabem nesta quinta-feira quem serão seus gestores até 2021

Eleição para diretores e vice-diretores é nesta quarta (27)

Ouça o Podcast da Educação sobre as eleições para gestores das escolas públicas do DF

80% das chapas das eleições para diretor e vice são únicas