Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/04/18 às 13h02 - Atualizado em 30/10/18 às 14h09

Escola mantém roça no Plano Piloto

COMPARTILHAR

Alunos e professores cultivam espaço em conjunto e colhem o amor que plantam


Foto: Vladimir Luz, Ascom/SEEDF

João Gabriel Amador, Ascom/SEEDF

 

Quem passa pela L2 Sul e vê a fachada do Centro de Ensino Especial 02 não imagina que a unidade, em meio ao Plano Piloto, abriga uma verdadeira roça. O quintal da escola, com quase 40 mil metros quadrados, é usado pelo projeto batizado de Germinar, onde é cultivada uma enorme variedade de frutas, verduras, legumes e temperos, entre outras plantas.

 

Criado em 2011, o projeto começou com uma horta e, atualmente, conta com uma agrofloresta, uma pequena roça e até mesmo uma cozinha rústica para preparar os alimentos de maneira tradicional.

 

A orientadora educacional Graça Rezende destaca vários aspectos positivos da iniciativa para os estudantes especiais. “Esse contato com a terra é muito saudável. Muitos alunos ficam mais calmos em meio a natureza. Outros conseguem desenvolver atividades estimulantes, como plantar, colher e até preparar os alimentos”, enumera.

 

Para os alunos mais novos, o ambiente também é enriquecedor, como ressalta a professora Amanda Cabral, do ensino precoce. “Na idade entre zero e quatro anos é muito importante trabalharmos os aspectos sensoriais. E na horta o aluno tem contato com cores, cheiros, sons, texturas, que estimulam os sentidos de forma significativa”.

 

Mas os benefícios não se restringem aos alunos. Um dos responsáveis pelo plantio, o professor Antônio Francisco da Silva Melo não consegue se ver fazendo outra coisa. “Nasci no interior do Ceará, em uma família de agricultores. É um presente de Deus poder trabalhar com o que se ama. A escola inteira passa a ser uma sala de aula viva, sem paredes”, afirma o docente com brilho nos olhos.

 

A diversidade dos canteiros impressiona. Mandioca, milho, amendoim, gergelim, cana, abacate, banana, mamão, alface, tomate, berinjela, feijão, couve, cenoura, beterraba, abóbora são apenas alguns dos exemplos de itens espalhados pelos três espaços principais: horta, roça e agrofloresta.

 

Os alimentos colhidos, totalmente orgânicos, são usados nos lanches servidos aos estudantes. O excedente é vendido a preço simbólico para pais e professores. A quantia arrecadada, por sua vez, é destinada à manutenção do projeto.

 

A equipe do CEE 02 ainda recebe alunos de outras escolas, interessados nos conhecimentos do campo. As turmas são recebidas durante um turno inteiro e aprendem como funciona a plantação dos alimentos. Os interessados em agendar uma visita podem entrar em contato com a unidade pelo telefone 3901-7608.

 

Horta CEE 01 de Brasília