Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/02/20 às 15h50 - Atualizado em 14/02/20 às 17h42

Especialistas alertam sobre riscos da “brincadeira da rasteira”

COMPARTILHAR

A Sociedade Brasileira de Neurocirurgia esclarece que as quedas podem causar ferimentos graves e até à morte

 

João Gabriel Amador, ascom/SEEDF

 

Arte: Robson Dantas, Ascom/SEEDF

 

Uma suposta brincadeira amplamente divulgada em redes sociais pode gerar danos irreversíveis a crianças e jovens. Chamada de “brincadeira da rasteira” ou “desafio quebra-crânio”, a atividade consiste em derrubar uma pessoa enquanto ela pula, o que gera uma queda sem condições de proteção.  Esta suposta “brincadeira” tem sido praticada em muitas escolas do Brasil e os veículos de comunicação mais importantes do país têm dedicado muitas reportagens aos danos causados por ela. Até o momento, não foram registrados incidentes nas escolas do DF.

 

A Sociedade Brasileira de Neurocirurgia entrou no circuito distribuindo comunicado alertando sobre os perigos da prática. Segundo a instituição, a queda pode causar lesões irreversíveis ao crânio e encéfalo, além de danos à coluna vertebral. Como resultado, a vítima pode ter seu desempenho cognitivo afetado, fraturar vértebras, ter prejuízos aos movimentos do corpo e, em casos mais graves, levar à morte.

 

Vale lembrar como dano lateral que os praticantes estão sujeitos a responder por lesão corporal e até mesmo homicídio nos casos que levem a morte de um dos participantes.

 

A Secretaria de Educação reforça o alerta da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia aos professores e gestores das unidades escolares, de modo a evitar esta brincadeira nas escolas da rede pública, e também como alerta às mães, pais e responsáveis, de forma a conhecerem os danos que ela pode causar e assim prevenirem a sua disseminação.

 

A conscientização de crianças e jovens sobre os perigos do desafio também é fundamental para evitar danos futuros. Portanto a pasta solicita a ampla divulgação das informações sobre os riscos da brincadeira em escolas da rede e entre a comunidade escolar.

Leia também...