Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/04/19 às 15h26 - Atualizado em 3/04/19 às 15h35

Festival de Curtas chega à 5ª edição

COMPARTILHAR

Guilherme Marinho, Ascom/SEEDF

 

Auditório do Espaço Israel Pinheiro ficou lotado – Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

Com o auditório do Espaço Israel Pinheiro lotado, o secretário de Educação do Distrito Federal, Rafael Parente, lançou a 5ª edição do Festival de Curtas das Escolas Públicas do DF. Cerca de 120 pessoas, entre estudantes, professores, servidores da SEEDF e da Secretaria de Cultura, além de profissionais envolvidos no mercado audiovisual brasiliense, marcaram presença no evento. Onze escolas enviaram representantes para a cerimônia, que aconteceu na manhã desta quarta-feira (3).

 

Fã de carteirinha da linguagem cinematográfica, o titular da Secretaria de Educação do DF (SEEDF) é um entusiasta das novas tecnologias. “Nós, enquanto educadores e profissionais da cultura, precisamos batalhar para que, cada vez mais, as novas tecnologias sejam utilizadas da melhor forma. E assim, a gente possa avançar mais rapidamente para o desenvolvimento cultural e educacional do nosso país. O audiovisual é uma área do presente e do futuro. Precisamos apostar muito nesse setor”, afirmou Rafael.

 

A abertura do evento contou com um vídeo produzido pelos alunos do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 4 de Planaltina. O curta cativou a plateia. Usando efeitos especiais, os atores voaram pelo espaço sideral em um foguete de papelão para mostrar o poder da imaginação. “Quanto mais a gente integrar a arte em tudo o que a gente faz dentro da escola, inclusive nas áreas de conhecimento, mais a gente vai conseguir desenvolver a criatividade, a gestão das emoções, a sensibilidade, o senso estético e o senso ético”, analisou o secretário de Educação do DF.

 

Rafael Parente lançou oficialmente o Festival de Curtas. Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

O número de filmes que participaram da mostra cinematográfica desde a criação, em 2015, já passou de 500. Para se inscrever, o estudante precisa apenas de um celular, de uma câmera ou de uma filmadora digital. A produção não pode ultrapassar cinco minutos de duração. Não serão aceitos curtas institucionais, publicitários, propaganda política partidária ou que contenham teor pornográfico, cenas explícitas de violência, apologia ao uso de drogas, consumo de cigarro ou bebida alcoólica. A abordagem poderá ser livre – para premiação geral – ou trabalhar o tema “a escola que temos, a escola que queremos”.

 

Há premiação em dez categorias. Montagem, direção, fotografia, roteiro, desenho de som, ator, atriz, abordagem do tema e melhor filme serão avaliados pela comissão julgadora. Outra votação vai definir o melhor filme pelo júri popular.

 

Os 30 filmes mais bem avaliados serão exibidos no 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, além de ficarem disponíveis nos sites oficiais das secretarias de Educação e de Cultura do DF. Os estudantes vencedores ganharão troféus e vão participar de oficinas voltadas para a área do audiovisual, oferecidas pelo Centro Universitário IESB, o IFB e a 70 MM. O edital para participar do 5º Festival de Curtas será divulgado ainda em abril no portal da SEEDF e nas redes sociais da Gerência de Produção e Difusão de Mídias Pedagógicas / Canal E. As inscrições poderão ser feitas de 16 de maio à 19 de junho.

Homenageada

Professora Ghiza Porto é a homenageada desta edição. Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

Este ano, o festival presta homenagem à professora Ghiza Porto. Em 2014, ela criou o Festival Chica de Ouro no Centro Educacional (CED) São Francisco, em São Sebastião. Segundo a educadora, o projeto tem como objetivo estimular a produção cinematográfica na escola. “Por mais que o filme pareça uma coisa boba, ele é um extenso trabalho de pesquisa. É um processo de iniciação cientifica. Porque para você fazer um filme, é necessário coletar muitas informações, e essas informações precisam virar conhecimento, caso contrário, você não tem um filme que te emociona, que te toca”, explicou a professora, com quase 30 anos de experiência. No mesmo ano nasceu a Encena, produtora gerida pelos alunos do Chicão, como é conhecido o colégio.

 

O professor Matheus e integrantes da produtora Encena. Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

Matheus Costa, vice-diretor do Chicão, contou que os estudantes, a cada edição, ficam mais engajados no projeto. “A gente sempre participa do Festival de Curtas. Nos últimos três anos, ganhamos nas categorias de melhor ator, melhor atriz e melhor direção. Para 2019, já estamos formando a equipe”, avisou o professor de geografia. A escola pretende concorrer para ganhar e já montaram uma estratégia em busca de resultados melhores. “Estamos fazendo o cine clube no qual promovemos 10 sessões com cineastas presentes. Os cineastas vão  na escola e falam sobre esse processo de produção. Estão incentivando os meninos”, revelou Matheus.

 

Thainara Araújo, 17 anos, estudante do 3º ano do ensino médio do CED São Francisco é, desde 2017, uma das produtoras que atuam na Encena. No ano passado, a adolescente participou do 4º Festival de Curtas das Escolas Públicas do DF. Para ela, a etapa mais gostosa do desenvolvimento de um filme é a atuação e a roteirização, mas a jovem se envolve em todo o processo. “No meu filme do ano passado eu fiz tudo, escrevi o roteiro, atuei, filmei, editei e dirigi”, disse a cineasta. No entanto, essa desenvoltura só surgiu com o tempo. “Cheguei sem saber de nada sobre audiovisual e cinema. Não era algo do meu interesse, mas quando me aproximei, eu gostei” relembrou.

Reportagem

Jhenyfer planeja um novo filme para este ano. Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

O CEF 209 de Santa Maria enviou uma equipe de reportagem para acompanhar o lançamento do festival.  Jhenyfer Marques, 12 anos e estudante do 7º ano do ensino fundamental, é integrante do grupo. Inquieta, a menina transita entre o jornalismo e o cinema. “Já fiz um filme e vou fazer mais um. Ano passado, o meu curta não foi para o festival porque estourou o tempo, acho que por um minuto. Aí ele foi desclassificado. Este ano vamos fazer quatro (produções). A experiência foi ótima, deu muito trabalho, mas foi ótima”, garantiu a pequena.

 

Saiba mais sobre o 5º Festival de Curtas das Escolas Públicas do Distrito Federa

Lançamento do 5º Festival de Curtas das Escolas Públicas do DF