Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/03/21 às 16h48 - Atualizado em 18/03/21 às 12h49

Mulheres, feminismo e educação

COMPARTILHAR

Iniciativas que abordam a valorização da mulher enaltecem a educação como ferramenta de transformação social

 

Aldenora Moraes, Ascom/SEEDF

img-responsiva
| Projeto do CED 310 de Santa Maria dissemina a igualdade de gênero. Foto divulgação

 

Uma criança, um professor, um livro e um lápis podem mudar o mundo”. A partir dessa máxima, a paquistanesa Malala Yousafzai, baleada ao sair da escola em 2012, vencedora do prêmio Nobel da Paz, enfatiza o papel da escola como um espaço potente para acolher e enfrentar a violência contra a mulher.

 

A mulher precisa ter a consciência de que, através da educação, ela vai se empoderar. Com a educação é possível proclamar nossa independência

Janaína Almeida, Assessora SEEDF

 

 

 

Professoras da rede pública de ensino do DF têm aceitado esse desafio diariamente. Vânia Sousa, uma das autoras do Atlas Escolar do Distrito Federal, aceitou a proposta de abordar temas que permeavam o contexto das estudantes do Centro Educacional 310, de Santa Maria. “Elas narravam a violência que sofriam no namoro, assédios e situações de opressão da mulher”, explica Vânia.

 

Em 2017, a partir das demandas surgidas ao longo do projeto internacional Nós propomos, por meio do qual os jovens buscam soluções para problemas da comunidade, foi criado o Penha está na Escola. O projeto, agora virtual, devido à pandemia, promove rodas de conversa sobre temáticas relevantes para as estudantes e recebeu o Selo de Práticas Inovadoras da Educação no DF e o Prêmio Maria da Penha vai à escola, do Tribunal de Justiça do DF.

 

O podcast EducaDF desta semana aborda a importância da educação como ferramenta de transformação social e os projetos de enfrentamento à violência e valorização da mulher na Rede. Confira o podcast nas plataformas de áudio.

 

img-responsiva| Janaína Almeida destaca o papel da educação no empoderamento das mulheres. Foto: Robson Dantas, Ascom/SEEDF

 

Com 25 anos dedicados à Secretaria de Educação recém-completados, a assessora da pasta, Janaína Almeida, coleciona inúmeras histórias de sucesso contra ciclos de violência. “Através da educação podemos trazer conceitos que vão fundamentar atitudes. Nossa rede trabalha com pedagogia de projetos, que por sua vez são essenciais para o enfrentamento da violência contra a mulher”, diz.

 

A assessora destaca a importância no acolhimento às mulheres, as maiores prejudicadas com a pandemia e reforça o papel da educação. “A mulher precisa ter a consciência de que, através da educação, ela vai se empoderar. Com a educação é possível proclamar nossa independência”, afirma Janaína.

 

#Salve na Agenda

 

 

Por meio de ações pedagógicas pautadas em uma educação para a paz, é possível suscitar reflexões acerca de processos históricos e culturais que definem e hierarquizam papéis sociais❞

Ruth Meire, diretora de Educação no Campo, Direitos Humanos e Diversidade SEEDF

 

Segundo Ruth Meire, diretora de Educação no Campo, Direitos Humanos e Diversidade (DCDHD), a educação é um potente instrumento a ser utilizado na prevenção e enfrentamento às violências contra meninas e mulheres. “Por meio de ações pedagógicas pautadas em uma educação para a paz, é possível suscitar reflexões acerca de processos históricos e culturais que definem e hierarquizam papéis sociais”, explica.

 

Para tanto, como parte do compromisso com a valorização das mulheres e enfrentamentos às violências, as escolas receberam o Catálogo de Sugestões Pedagógicas, que oferece instrumentos aos profissionais de educação. Houve oficinas e palestras e as mulheres campesinas foram homenageadas por violeiras em 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Confira o vídeo no Canal do EducaDF no Youtube.

 

EducaDF no Youtube img-responsiva
Programação comemorativa ao Dia Internacional da Mulher
 12/3   19h ♀ Sarau Cultural Mulher, codinome força: a resistência por meio da arte e da educação
 24/3 16h ♀ Live com Mulheres Camponesas da Marcha das Margaridas