Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/11/19 às 17h47 - Atualizado em 18/11/19 às 17h47

Queima Lençol faz Saeb nesta terça

COMPARTILHAR

Dois dos três blocos da escola voltam a funcionar e aulas e transporte são retomados

 

Da Redação, Ascom/SEEDF

 

Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

As aulas no CEF Queima Lençol começam nesta terça-feira (19/11).  A Defesa Civil liberou dois blocos, o da administração e um de salas de aula, e isolou um terceiro que necessitará mais reparos. O transporte escolar também será retomado normalmente para os alunos que terão aulas no Queima Lençol e para aqueles transferidos para o CEF 09 de Sobradinho. Todos farão as provas do Saeb nesta terça.

 

Os danos verificados por técnicos da Secretaria no final de semana foram solucionados no domingo e hoje a Defesa Civil aprovou as medidas. As telhas do bloco da administração estavam muito retorcidas, não poderiam ser recuperadas em tempo para cumprir o combinado com estudantes e suas famílias, mas o aproveitamento de telhas do bloco que prossegue interditado resolveu o problema.

 

Os estudantes do 4º e 5º ano e do 8º e 9º ano do ensino fundamental do Queima Lençol que ficaram sem transporte nesta segunda-feira retomam as aulas nesta terça, assim como os alunos do 6º e 7º anos, que retornam ao prédio do Queima Lençol.

 

Nesta terça-feira, uma equipe da Secretaria de Educação estará no horário de entrada no Queima Lençol para receber os estudantes do 6º e 7º anos, que só agora retornam à escola.

 

As aulas dos 676 alunos do Queima Lençol, suspensas na semana dos dias 11 a 14 de novembro, serão repostas, se necessário, até o dia 20 de dezembro, sem prejuízo do cumprimento do calendário escolar dos alunos. Eles terão aulas em três sábados para repor as aulas perdidas.

 

Após as fortes chuvas da última semana, a cobertura metálica dos blocos do CEF Queima Lençol ficou danificada. A Defesa Civil realizou a interdição do local. Em seguida, a Secretaria notificou a empresa responsável pelas obras para realizar todos os reparos necessários para que a unidade voltasse a funcionar. Os reparos foram orçados em R$ 300 mil. As obras tiveram início um dia após o ocorrido.

 

A escola foi construída pela empresa Ciplan, após um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado junto ao Ministério Público do Distrito Federal. A Secretaria ficou responsável pelo fornecimento dos projetos de arquitetura e a empresa realizou a contratação e a execução da obra.