Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/01/22 às 17h13 - Atualizado em 2/02/22 às 15h00

Ampliada oferta de orientadores educacionais

 Portaria reduz de 800 para 680 o número máximo de estudantes a serem atendidos pelos profissionais 

Ana Carolina Leal, Ascom|SEEDF

 

Alunos do ensino fundamental: mudança ajudará na orientação educacional. Foto: André Amendoeira, Ascom|SEEDF

 

Para o ano letivo de 2022, a Secretaria de Educação reduziu de 800 para 680 o número máximo de estudantes a serem atendidos pelos orientadores educacionais. A novidade foi publicada na edição desta quarta-feira, 26, do Diário Oficial do DF e, na prática, possibilita aos estudantes da rede pública de ensino terem mais horas disponíveis dos orientadores nas escolas públicas.

 

A subsecretária de Gestão de Pessoas, Ana Paula de Oliveira Aguiar, ressalta a importância desta medida, uma vez que disciplina todo o trabalho a ser desenvolvido ao longo do ano. “Desta forma prevemos mais orientadores educacionais e escolas que antes não tinham, passarão a contar com um profissional”, pontua Ana Paula.

 

Também constam na portaria informações referentes à carga horária de trabalho dos servidores nas unidades escolares; o desenvolvimento das atividades de coordenação pedagógica, suas atribuições e requisitos para o exercício da função, e ainda o quantitativo por unidade, desses profissionais.

 

Atendimento mais eficaz

 

Esta portaria ampara os anseios dos próprios orientadores educacionais, quando reduz em 120 alunos por profissional, reforça a subsecretária de Educação Básica, Solange Foizer. “Desta forma, estes servidores vão conseguir aperfeiçoar ainda mais e de forma mais eficaz no atendimento de cada aluno. Melhorando assim o desenvolvimento acadêmico, social, e pessoal”, completa a subsecretária, ao comemorar este marco no atendimento da educação no DF. “Já avançamos muito, porém sabemos que ainda é preciso mais. Estamos no caminho certo.

 

Orientador educacional há 2 anos e 9 meses na EC 43 do P Sul- Ceilândia Sul, Raimundo Nonato Sobrinho também acredita que esta mudança, embora ainda tímida, refletirá positivamente no trabalho realizado com os estudantes. “Com certeza teremos mais qualidade no atendimento aos nossos estudantes. Estamos no caminho certo”, observa. Ele lembra que o trabalho de orientação é complexo e necessita de muita cautela. “Acolhemos, ouvimos, intervimos quando necessário, sempre em parceria com a gestão da escola”, explica Raimundo.

 

A orientação educacional está presente nas escolas da rede pública de ensino em todas as etapas e modalidades de ensino. É um direito dos estudantes e parte da estrutura pedagógica das unidades. Cabe a estes profissionais planejar, coordenar, implementar e avaliar o desenvolvimento de ações pedagógicas voltadas para os estudantes, professores e famílias/responsáveis legais.

 

Governo do Distrito Federal