Governo do Distrito Federal
9/03/22 às 20h08 - Atualizado em 6/10/22 às 18h47

Estudantes do DF mandam mensagem de solidariedade aos ucranianos

Em atividade promovida no CED 7 de Taguatinga, os alunos fizeram cartazes para serem enviados a uma entidade de jovens em Rivne, fronteira com a Polônia

Debora Cronemberger Mendes Pereira, Agência Brasília

 

Os estudantes foram convidados a fazer cartazes, com mensagens de solidariedade, para serem enviados a uma instituição em Rivne, cidade na Ucrânia na fronteira com a Polônia | Fotos: Tony Oliveira/Agência Brasília

 

” Essa é a mensagem que os estudantes da rede pública do Distrito Federal vão transmitir para jovens ucranianos em uma iniciativa de solidariedade iniciada nesta quarta-feira (9) no Centro Educacional 7 (CED 7) de Taguatinga.

 

Idealizada pela doutora e pesquisadora da Rede Internacional de Pesquisa e Intervenção: Jovens, Desigualdade social e Periferia, Joëlle Bordet, a ação busca conscientizar os jovens brasileiros sobre a situação da guerra entre Rússia e Ucrânia e despertar o sentimento de solidariedade internacional.

 

Os estudantes foram convidados a fazer cartazes para serem enviados à instituição Palais des enfants et jeunes (Palácio da infância e da juventude, em tradução livre) em Rivne, cidade na Ucrânia na fronteira com a Polônia.

 

Vamos encaminhar para o pedagogo do palácio imediatamente. Assim, eles vão poder receber esse material de solidariedade”, explica Joëlle Bordet. “É uma ação no sentido de dizer que estamos juntos nesse momento difícil”, completa.

 

O projeto é uma parceria da Rede Internacional de Pesquisa e Intervenção com a Secretaria de Educação do DF. A construção da iniciativa ocorreu após uma reunião entre Joëlle e a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá.

 

A iniciativa é muito positiva e sou grata a isso. Precisamos nos solidarizar com essas famílias que estão passando por um momento tão difícil. Nossos alunos também são muito solidários e, tenho certeza, ficaram felizes em poder transmitir uma mensagem de apoio e conforto a essas crianças”, avalia a secretária de Educação.

 

Brasília será a única cidade no Brasil a tomar a iniciativa, que vai continuar em países integrantes da rede, como Itália, Portugal, Tunísia, Palestina, Israel e Senegal, além da França, onde já ocorrem ações.

 

Empatia

 

Em um momento tão delicado, em que as crianças refugiadas estão sofrendo, é importante chegar o carinho. A linguagem do amor é universal”, afirma a supervisora pedagógica do CED 7 de Taguatinga, Viviane Calasans.

 

A jovem Letícia Vitória Ferreira, 17 anos, estudante do 2° ano do ensino médio, fez ao lado dos colegas um cartaz com uma mensagem em inglês pedindo paz e fraternidade, com as bandeiras do Brasil e da Ucrânia desenhadas. “Sabemos que essas famílias estão sofrendo com tudo que está acontecendo na Ucrânia. É muito triste. A gente queria poder fazer mais por eles. Mas o pouco que podemos fazer estamos colocando nesse cartaz”, diz.

 

Desafios dos Protagonismos na Escola

 

Nesta quinta-feira (10), Joëlle Bordet participa de live promovida pela Secretaria de Educação, a partir das 14h, com transmissão pelo Canal EducaDF, no YouTube. Ela vai abordar os desafios dos protagonismos na escola decorrentes da pandemia.

 

Joëlle realiza diagnósticos psicossociais e intervenções no campo da política municipal. Ela trabalha a dinâmica social e familiar em situações de habitação social, justiça e exercício da cidadania. “É uma iniciativa destinada a todos os professores do DF. A especialista irá abordar diálogos e propostas entre educadores do Distrito Federal e realidades internacionais no cenário da situação pandêmica”, antecipa o chefe de Apoio das Coordenações Regionais da Secretaria de Educação, Júlio Moronari.

 

*Com informações da Secretaria de Educação

 

Governo do Distrito Federal