Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/04/20 às 8h51 - Atualizado em 7/04/20 às 8h51

CEI 304 do Recanto das Emas ganha reparos emergenciais

Há mais de duas décadas enfrentando alagamentos quando chove, a escola, somente agora, terá o problema resolvido

 

Agência Brasília

 

Tão logo teve cortada sua fita inaugural, em 1999, o Centro de Educação Infantil (CEI) 304 do Recanto das Emas já revelou um grave defeito: a parte em que se localizam as seis salas de aula e o pátio fora construída a um metro e meio abaixo do nível da rua que passa em frente. Desde então, sempre que chove, a água escoa para esses compartimentos, formando uma imensa piscina.

 

Este ano, enfim, vai ser diferente. Acionada pela Coordenação de Ensino Regional (CRE) do Recanto das Emas, a Construtora Burity, responsável pelo contrato de manutenção da escola, sem nenhum custo adicional, começou a fazer o alargamento da rede pluvial. Isso aumentará a capacidade de vazão da água e acabará com o alagamento.

 

Ao longo desses mais de 20 anos, o problema ocorre de forma sazonal: sempre nos períodos de chuva, as salas e o pátio precisam ser interditados, devido ao acúmulo de água. “É angustiante ter 500 crianças sob sua responsabilidade e precisar sair correndo com elas no colo quando chove”, descreve a diretora do CEI 304, Eneida Pessoa.

TRABALHOS INICIADOS

 

A empresa vai substituir toda a encanação e instalar canos de 250mm no lugar dos de 150mm. Serão mais de 40 metros de rede. “O escoamento não era suficiente”, explica o engenheiro Gabriel Morais, da construtora. “A tubulação é muito estreita, tem diâmetro bem inferior ao que o volume de água pede para dar vazão ao local certo – que é a área verde aqui do lado”.

 

Enquanto as aulas estão suspensas em função das medidas de proteção contra o coronavírus, funcionários da Burity trabalham em tempo integral para entregar o serviço. “Até o retorno das aulas, a obra estará totalmente concluída; esse problema ficará no passado”, assegura o titular da CRE do Recanto das Emas, Leandro Freire.

FUTURO

 

O drama se mostrava mais grave ainda pelo fato de a escola acolher, além dos 440 estudantes, 81 alunos com algum tipo de deficiência. Eles estão concentrados nas turmas de educação precoce. Os demais, que têm de três meses a seis anos de idade, frequentam outras séries da educação infantil.

 

“Vou terminar minha carreira com o dever cumprido”, comemora a diretora Eneida Pessoa, que dedicou os últimos 20 anos de seus 32 de magistério à escola e, agora, aguarda a aposentadoria. Preocupada com o surto de coronavírus no DF, ela ressalta a importância da suspensão das aulas e a oportunidade para executar o serviço. “Quando tudo isso acabar, poderemos estar todos juntos novamente em uma nova escola”, diz, esperançosa.

 

Galeria de fotos

CEI 304 do Recanto das Emas ganha reparos emergenciais

Governo do Distrito Federal