Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/03/20 às 15h24 - Atualizado em 11/03/20 às 16h17

Escolas que Queremos recebem mais de 200 mil livros complementares

Reforço alcança 170 unidades da rede pública do DF que participam de avaliações nacionais

 

Nathália Borgo, Ascom/SEEDF

 

Equipe da CRE do Paranoá organiza distribuição dos livros para as escolas. Foto divulgação

 

Esta semana, as escolas da rede pública de ensino do DF estão recebendo 201.116 livros da editora Moderna. São materiais complementares de português e matemática, além dos manuais para cada professor, que vão auxiliar os estudantes avaliados no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). As 170 escolas beneficiadas, de todas as regionais de ensino, fazem parte do Programa Escola que Queremos.

 

“Os livros serão distribuídos àquelas escolas com desempenho abaixo do esperado, com altos índices de reprovação e abandono escolar. Fornecer material didático apropriado a esta realidade é uma das estratégias fundamentais para vencermos estes desafios prioritários. É um investimento no futuro de nossos estudantes e do Distrito Federal”, afirma o secretário de Educação, João Pedro Ferraz.

 

Cada regional recebeu nove volumes contemplando alunos do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental. A ação está, inclusive, entre os seis eixos prioritários do programa, que determinam a disponibilização de material pedagógico específico para essas escolas.

 

“Este investimento é parte de uma ação maior, no contexto da melhoria das aprendizagens do programa Escolas que Queremos, que, acreditamos, refletirá em ampliação da garantia ao direito à educação e na elevação do IDEB dessas escolas”, explica o subsecretário de Educação Básica (Subeb), Helber Ricardo Vieira.

 

Equipe da CRE de Sobradinho recebe livros. Foto divulgação

 

Os livros da distribuição têm o selo do projeto Aprova Brasil, com conteúdos exclusivos voltados aos exames nacionais, estaduais e municipais. Na disciplina de Língua Portuguesa, o conteúdo visa o desenvolvimento e a fluência da leitura, para melhorar a capacidade de compreensão de texto dos estudantes. Em matemática, os alunos podem entender mais sobre cálculo e resoluções de situações-problema.

 

Foram investidos pelo Governo do Distrito Federal R$ 21.445.921,53 milhões no contrato com a editora, que tem vigência de um ano, conforme a Lei nº 8.666 de 21/06/1993. São obras atualizadas de acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), norma que define um conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais na Educação Básica.

 

A edição é alinhada à matriz do Saeb, um sistema de avaliações externas que permite ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) diagnosticar a rede de educação básica do país e observar o que interfere no desempenho dos alunos. Esses fatores, mais as taxas de aprovação, reprovação e abandono do Censo Escolar compõem o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

 

Distribuição dos livros
Regional de Ensino Nº de livros
     Brazlândia      6.602
     Ceilândia      31.250
     Gama      10.444
     Guará      12.156
     Núcleo Bandeirante      11.400
     Paranoá      25.962
     Planaltina      20.452
     Plano Piloto/Cruzeiro      6.292
     Recanto das Emas      18.212
     Samambaia      11.020
     Santa Maria      7.056
     São Sebastião      11.812
     Sobradinho      14.566
     Taguatinga      13.892
     Total      201.116