Governo do Distrito Federal
13/06/22 às 16h45 - Atualizado em 14/06/22 às 0h03

PDAF pago em 2022 ultrapassa R$64 milhões

Os recursos podem ser utilizados para melhoria nas escolas, que vão desde a compra de materiais a manutenção das unidades

Redação, Ascom/SEEDF

 

No primeiro semestre de 2022, foram pagos R$ 64.910.330,50 do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf) para as Coordenações Regionais de Ensino (CREs).  Parte do montante, R$ 33.813.463,50, é proveniente da Secretaria de Educação e o restante, R$ 31.096.867, de emendas parlamentares. Os recursos são utilizados pelas unidades escolares para despesas de custeio e capital.

 

A destinação depende do tipo das despesas. No caso das despesas de capital, a verba pode ser utilizada para aquisição de materiais permanentes que se incorporam ao patrimônio, como mobiliário e computadores. As despesas de custeio podem ser destinadas à aquisição de materiais de consumo, realização de manutenção nos prédios e contratação de serviços de pessoa física ou jurídica.

 

A transferência dos valores às regionais tem como condição o cumprimento de requisitos, como a apresentação da prestação de contas anual dos exercícios anteriores e a regularidade das prestações de contas parciais do período em que os recursos estejam sendo utilizados.

 

A verba vai direto para as escolas e as regionais, que têm autonomia para utilizá-la conforme a necessidade | Foto: Álvaro Henrique, Ascom/SEEDF

 

Melhorias garantidas

 

O PDAF é a ferramenta necessária para que cada gestor escolar possa realizar uma gestão verdadeiramente democrática com segurança e respeito que toda comunidade escolar merece, assim definiu a coordenadora da Regional de Ensino de Samambaia, Paula Tredicci. “São os nossos tributos fazendo a diferença na nossa sociedade”, completou.

 

É a partir desta garantia de recursos que as unidades escolares se programam junto às suas comunidades para a realização de pequenos reparos, melhorias patrimoniais e das instalações, além da aquisição de insumos e materiais que garantam o bom funcionamento de todas as nossas escolas. “Tudo conforme as suas necessidades e os seus planejamentos”, reforçou Paula.

 

O coordenador regional da Ceilândia, Carlos Ney, também acredita que o PDAF é fundamental para o avanço das unidades de ensino. “Podemos dividir a situação das escolas públicas em dois momentos, antes e depois do PDAF. O Programa permitiu que ao longo dos anos houvesse uma melhora na qualidade estrutural das escolas, além de ser um facilitador na compra de insumos de consumo rápido”, explicou o CRE.

 

Com o PDAF, o dinheiro público chega efetivamente nas unidades, de forma desburocratizada e transparente. “Os gestores que têm a capacidade de visualizar o real problema enfrentado dentro da unidade escolas e utilizar o recurso de forma correta”, reforçou Carlos Ney.

 

PDAF Ordinário pago pela Secretaria de Educação:

 

Coordenação Regional de Ensino Valor pago
Brazlândia R$ 1.522.640,00
Ceilândia R$ 4.911.127,50
Gama R$ 2.607.525,00
Guará R$ 1.406.477,50
Núcleo Bandeirante R$ 2.105.652,50
Paranoá R$ 1.887.090,00
Planaltina R$ 3.272.745,00
Plano Piloto R$ 2.396.693,50
Recanto das Emas R$ 2.145.412,50
Samambaia R$ 2.755.892,50
Santa Maria R$ 2.025.477,50
São Sebastião R$ 1.829.565,00
Sobradinho R$ 2.181.437,50
Taguatinga R$ 2.765.727,50
Valor total R$ 33.813.463,50
Governo do Distrito Federal