Governo do Distrito Federal
17/11/22 às 18h38 - Atualizado em 17/11/22 às 19h05

Secretaria ensina educação antirracista para professores em formação continuada

Educadores fazem cursos sobre questões étnico-raciais e racismo. Aprendizado é compartilhado em escolas públicas

Ícaro Henrique, Ascom/SEEDF

 

A sala 54 da Subsecretaria de Formação Continuada dos Profissionais da Educação (Eape), na Asa Sul, virou palco para discussões sobre questões étnico-raciais, gênero, racismo, e a valorização e aceitação da cultura negra. Intitulado de Brasilidades Afro-Indígenas, o espaço tornou-se um ponto de encontro para educadores realizarem cursos, rodas de conversas e encontros online. As reuniões ocorrem durante todo o ano e o aprendizado é compartilhado com os estudantes das escolas públicas do Distrito Federal.

 

O espaço onde acontecem os cursos é decorado com fotografias temáticas feitas por professores e alunos. O lugar conta também com espaços para livros e instrumentos de percussão de matriz africana, além de adereços nas paredes, característicos da cultura africana e indígena.

 

Entre os cursos ofertados está o de ‘Letramento em Educação Antirracista: Por uma Escola Diversa e Polifônica’, ministrado pela professora doutora em Antropologia pela Universidade de Brasília (UnB), Renata Nogueira. A docente também oferta outros cursos paralelos ligados ao projeto Eape Vai à Escola, como: Racismo Estrutural e Educação; Valores Civilizatórios Afro-brasileiros e Educação; Racismo Religioso e Educação e Racismo e Xenofobia.

 

A formadora Renata Nogueira ministra cursos de educação antirracista para professores na Eape | Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

A professora explica que as temáticas dos cursos variam de acordo com o currículo básico da educação e ressalta que o papel do profissional que atua na formação continuada consiste em potencializar o trabalho para que ele chegue até os estudantes. “Essas temáticas precisam estar na escola independente de qual for o componente, seja para professores de geografia, história ou outras disciplinas”, pondera.

 

Para Renata, o objetivo do trabalho do profissional que atua na formação continuada é chegar até os estudantes | Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

Renata está na Eape desde 2019 e atua por meio de diversas atividades, como palestras, oficinas e seminários. Entre os cursos ministrados por ela, o de ‘Letramento em Educação Antirracista: Por uma Escola Diversa e Polifônica’ se destaca. A formação foi realizada durante o segundo semestre de 2022, com o intuito de promover atuação crítica e transversal das temáticas étnico-raciais nas escolas e contribuir na construção de perspectivas educacionais antirracistas.

 

A professora Marina Morena faz o curso Letramento em Educação Antirracista e explica como o aprendizado tem ajudado a complementar o trabalho que ela realiza com os alunos da Escola do Parque da Cidade (Proem). “Senti a necessidade de trabalhar as relações étnicos-raciais para além do mês de novembro, durante todo o ano, dando foco para a autoestima da população negra, a partir de grandes referências que passam desde o período abolicionista até os dias atuais”.

 

O Proem é uma escola de natureza especial e atende adolescentes que cumprem medidas socioeducativas ou que vivem em abrigos. Os alunos têm idades entre 13 e 17 anos, e muitos deles estão em semiliberdade invertida, onde passam o dia na escola e de noite ficam institucionalizados.

 

A grande maioria dos meus alunos são negros, que sofrem uma defasagem escolar e, que são vítimas de uma sociedade racista. O meu trabalho enquanto educadora consiste em resgatar esses estudantes. Fiz um trabalho com eles destacando os pacifistas, pois são alunos que têm um histórico de violência muito grande. Estudamos os direitos civis da luta da população negra a partir de Martin Luther King, a segregação do Apartheid da África do Sul pelo Mandela”.

 

A professora Marina Morena faz o curso Letramento em Educação Antirracista | Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

Trajetória de cursos temáticos

 

A Subsecretaria de Formação Continuada dos Profissionais da Educação (Eape) oferece cursos, oficinas, lives e ações relacionadas ao tema. Entre 2020 e 2021, a escola ofertou a oficina “Práticas Pedagógicas Antirracistas: jogos e brincadeiras” para 1.018 professores.

 

Em 2022, a Eape disponibilizou cursos voltados para o ensino antirracista para 96 professores, além das ações do projeto Eape Vai à Escola que atenderam a 1.310 profissionais da educação e abriu espaço de debates e reflexões para a necessidade de que essa temática se faça presente nas práticas diárias do cotidiano escolar.

 

Consciência Negra

Governo do Distrito Federal