Governo do Distrito Federal
10/02/22 às 19h50 - Atualizado em 6/10/22 às 18h47

Esperança transformada em ação

Professor Leandro Karnal finaliza ciclo de palestras da Semana Pedagógica

Thaís Rohrer | Ascom/SEEDF

 

Segundo dia de palestras traz temática “Avivando esperanças para viver um NOVO TEMPO”. Foto reprodução

 

O quarto dia da Semana Pedagógica 2022 foi conduzido pelo historiador e doutor pela Universidade de São Paulo (USP), Leandro Karnal, com a palestra sobre o tema “Avivando esperanças para viver um NOVO TEMPO”. O evento foi transmitido pelo canal da Secretaria de Educação no YouTube, o EducaDF, nesta quinta-feira (10).

 

A subsecretária de Educação Básica, Solange Foizer, abriu a palestra e deu as boas-vindas aos participantes com uma mensagem aos educadores sobre essa preparação para ano letivo que se aproxima:

 

Temos que olhar a escola como um ser vivo que proporciona a convivência de professores, servidores, pais e estudantes na beleza da construção de amizades. Um lugar onde a procura pela felicidade é imprescindível. Um lugar onde se encontram seres humanos, gente como a gente. Esse sentimento de pertencimento está na esperança de participar da transformação da realidade de todos que estão na escola, na rua, na cidade e no mundo. Para alcançar sucesso no processo de ensino, temos que procurar na alma do educador a inovação neste mundo desafiador. Fazer diferente para ter resultados diferentes”, frisou.

 

Profecia autorrealizável

 

Logo no início da sua fala, o professor Leandro Karnal lembrou de um estudo feito com duas turmas de alunos. A um docente foi dito que ele teria os melhores alunos e que todos tinham ótimas capacidades. Para o outro professor foi dito que sua turma tinha vários estudantes problemáticos, com defasagem de aprendizagem.

 

Ao longo do ano, o progresso dos estudantes foi confirmado exatamente como havia sido dito aos dois professores. No fim do processo, os educadores descobriram que os alunos das duas turmas tinham as mesmas capacidades cognitivas. Essa experiência ficou conhecida como a profecia autorrealizável. O motivo é que os professores realmente acreditaram no que foi dito como potencial de cada turma e seguiram as aulas para desenvolvê-las, de acordo com aquilo que acreditavam ser possível, baseados na informação que acreditavam ser a real.

 

Karnal mostrou, com isso, a importância da esperança na vida escolar, mas sempre pautada em ações no dia a dia. “É agir com o máximo possível de empenho. Se todos nós levarmos em conta que há um barco no meio de uma tempestade, logo precisamos de mais foco da equipe, mais estratégia, mais ação, mais criatividade. Isso vai possibilitar que eu cresça. Nesse caso, obviamente, eu vou ter diante de mim uma chance maior de crescimento, de esperança. Por isso, eu considero a esperança indispensável”, afirmou

 

A esperança faz você olhar para uma semente é pensar: ali está uma árvore ou uma flor. Faz você olhar para um adolescente, que muitas vezes é problemático, e dizer que ali está um ser humano adulto que ainda está descobrindo a vida e o mundo e que por isso, precisa ser trabalhado”, completou o professor.

 

Karnal destacou cinco habilidades importantes para os professores nesse cenário em que a educação está inserida, especialmente após a chegada da pandemia. Ele desenvolveu o acróstico ( composição literária, geralmente poesia, na qual as letras iniciais, do meio ou do fim formam nomes ou palavras) ALITA para resumir o pensamento.

 

Avaliação: pautar a observação  da importância de uma capacidade de avaliação que vá além da cobrança dos estudantes baseada na retenção de conteúdos simplesmente pela memória. Buscar formas de avaliação que estimulem características ligadas ao desenvolvimento do pensamento e da crítica.

 

Learning ability: capacidade de continuar estudando e aprendendo continuamente. Lembrar que os profissionais não devem se acomodar em buscar informações ligadas apenas à sua área de formação, mas, também, em outras áreas de interesse.

 

Imagens: o mundo atual está completamente inserido na cultura de imagens com stories, Tik Toks e vídeos. Por isso, a escola não pode centrar a alfabetização e as aulas apenas no espaço do letramento. A ideia é integrar aspectos das imagens em todas as matérias. Pensar o uso do mundo de imagens junto ao texto tradicional.

 

Tecnologia: utilizar e aprender sobre tecnologia constante, já que esta é uma ferramenta indispensável.

 

Aula– problema: o objetivo é estimular uma pergunta e lançar ao aluno algo que ele não pensou. Trazer os conteúdos e os conceitos, mas sem deixar o tema de maneira fixa e estática. Mostrar um assunto de história, por exemplo, e trazê-lo para a atualidade. A ideia é fazer interconexões com a realidade local dos estudantes para quebrar o paradigma da aula somente conteudista.

 

Tempo de realizar

 

Em muitos momentos, Leandro Karnal destacou que nem sempre a educação brasileira traz condições ideais de ensino. Ele mesmo pode presenciar essas situações durante seus 40 anos de magistério em escolas públicas e particulares. Especialmente o professor deve assumir um papel de fazer o melhor diante da realidade em que vive.

 

O protagonismo me inclui dentro do processo, me faz mudar. O mundo ideal pode não existir, mas o mundo real existe. Diante disso, eu vejo o que eu posso fazer para melhorar as condições. Posso não ser onipotente, mas também não sou incapaz. Muita gente não podendo fazer o 100, evita fazer o 60. Praticamente nunca eu cheguei ao 100, mas sei que contribui o máximo que pude”, refletiu Leandro Karnal em uma das suas mensagens finais.

 

A subsecretária de Formação Continuada dos Profissionais da Educação, Maria das Graças Machado, participou do encerramento da palestra. “Ser professor num tempo de pandemia é fazer a diferença. Quando escolhemos ser educadores – que foi uma escolha individual –, quando escolhemos ser esse profissional é porque realmente temos também essa responsabilidade social na vida dos nossos alunos”, disse.

 

Certificação

 

O Sebrae-DF disponibilizou a certificação para os que participaram das formações. Até o momento, 23.748 professores, orientadores e demais servidores preencheram o formulário de pedido de certificação. A instituição foi parceira da Secretaria de Educação do DF na organização da Semana Pedagógica e custeou todas as palestras.

 

O tema desta edição, Um novo tempo, re(construindo) sonhos e avivando esperanças, norteou todo o ciclo de palestras e atividades que ainda estão ocorrendo. A programação começou no dia 7 e segue até o 11 de fevereiro. O ano letivo começa na próxima segunda-feira, 14 de fevereiro.

 

 

Governo do Distrito Federal