Governo do Distrito Federal
18/05/22 às 13h06 - Atualizado em 6/10/22 às 18h47

Plantio e colheita de conhecimento

Educação do Campo na rede pública integra ensino e vivências cotidianas

Thaís Rohrer, Ascom/SEEDF

 

Contato com a natureza, ar puro, trilhas ecológicas e vivência com vários dos elementos ensinados nos livros. Essa é a proposta que Educação do Campo oferece aos estudantes de regiões distantes das áreas urbanas no Distrito Federal. A rede pública faz adequações na organização curricular e pedagógica para atender as necessidades dos que frequentam as escolas do campo. Aspectos culturais, econômicos, ciclos de produção, condições climáticas e tradições da comunidade camponesa são os assuntos que integram o dia a dia das salas de aulas dos quase 25 mil estudantes dessas unidades no DF.

 

A Educação do Campo é uma modalidade da Educação Básica pensada para crianças, adolescentes e adultos que vivem longe da área urbana. Atualmente, contempla 80 escolas, divididas em 10 Coordenações Regionais de Ensino. Confira

Mais informações

 

A Escola Classe Monjolo, localizada na área rural de Planaltina, é uma das unidades do campo da rede pública do DF. Lá, 107 estudantes estão matriculados no ensino fundamental e na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Eles participam de trilhas ecológicas, projetos ligados à sustentabilidade, cultura, entre outras atividades.

 

Horta é um dos projetos com estudantes na Escola Classe Monjolo | Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

Plantamos sonhos na vida dos estudantes do campo. Mostramos que por meio da educação eles podem conquistar muitos objetivos. Eles têm a oportunidade de enxergar várias possibilidades a partir das pequenas riquezas que envolvem a comunidade em que vivem. Nossa atuação acaba indo além dos muros da escola”, revela Vânia Braga, vice-diretora da Escola Classe Monjolo.

 

A estudante Isabella Gomes, 10 anos, relembra algumas das experiências vividas na Escola Classe Monjolo. “Tive oportunidade de conhecer mais sobre a fauna e a flora na trilha-aula que fizemos. Também visitamos a Estação Ecológica Águas Emendadas, onde aprendi várias questões de geografia. Eu gosto muito da minha escola. Acho aqui completo e divertido”, conta a menina, que cursa o 5º ano do ensino fundamental e tem planos de fazer faculdade de medicina.

 

A horta é um dos ambientes que o estudante do 5º ano Emanuel de Sousa, 9 anos, mais se identifica na EC Monjolo. O local tem temperos e hortaliças, plantados pelos alunos, que são utilizados na alimentação escolar. “Eu gosto muito da escola, das amizades e da comida feita aqui”, destaca o aluno, que sonha em ser cozinheiro.

 

Isabella e Emanuel se orgulham de fazer parte da educação do campo | Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

Alfabeto Monjolo

 

As unidades escolares do campo da rede pública trabalham com a Proposta Didática para Construção de Inventário Social, Histórico e Cultural das Escolas do Campo. A ideia é mostrar que cada uma delas é parte integrante da comunidade. O objetivo é que o estudante seja protagonista do processo. Ao observar as características singulares do local onde vive, ele reflete sobre as formas de organização, identidade cultural e relação de pertencimento à comunidade.

 

Nomes de plantas, sementes e animais do cerrado integram o Alfabeto Monjolo | Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

O projeto Alfabeto Monjolo também faz parte dessa proposta ao utilizar aspectos do cotidiano das crianças da Escola Classe Monjolo para ajudar na alfabetização. “Usamos elementos familiares que têm significação para eles e a partir daí fazemos associações e relações para ampliar o vocabulário e conhecimento das crianças”, destaca a professora Lucilei Coimbra.

 

Escola Classe Monjolo

Governo do Distrito Federal