Governo do Distrito Federal
27/10/22 às 9h46 - Atualizado em 27/10/22 às 9h55

Projeto leva debate sobre violência contra mulher para alunos detentos

Idealizado por professoras do CED 1 de Brasília, o “Dia de Visita” ficou em 2° lugar no concurso do TJDFT

Ícaro Henrique, Ascom/SEEDF

 

A violência contra mulher é assunto sério para os 1.500 alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de seis presídios do Distrito Federal. Por meio de debates, professoras do Centro Educacional 01 de Brasília cumprem a missão de levar para o sistema prisional do DF assuntos sobre violência doméstica, racismo e feminicídio. A iniciativa, identificada como “O Dia de Visita”, concedeu à escola o 2º lugar da terceira edição do concurso de Práticas Inovadoras do programa Maria da Penha Vai à Escola.

 

O projeto foi criado em 2018 por meio de um trabalho acadêmico autoral das professoras Vanessa Bonfim, Elisângela Cavalcante e Cristiane de Almeida. Mas foi em 2020, que o programa que atende a Lei nº 11.340/2006 ganhou maior proporção.

 

“O Dia de Visita nasceu de uma situação real vivida por uma mulher, que, mesmo após várias agressões sofridas pelo marido (preso), ainda o visitava em um presídio de São Paulo. A partir disso, refletimos sobre o quanto esse tipo de violência ainda é pouco compreendido pela sociedade”, conta a professora Vanessa Bonfim.

 

Vanessa, Elisângela e Cristiane criaram o projeto Dia de Vista em 2018 | Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

 

As professoras citam que um dos desafios enfrentados é encontrar a melhor forma para abordar o assunto, que já foi sentido na pele por muitos dos estudantes. “Muitos alunos já foram atravessados de alguma forma pela questão da violência contra a mulher, seja como autor ou como vítima”, explica Vanessa. “Por isso, tivemos que criar estratégias antes, com formação dos professores e estudos, para tratar da melhor forma desse tema.”

 

A docente explica ainda que, além dos desafios enfrentados com os alunos detentos, existe também o obstáculo do trabalho com a sociedade. “É importante que os alunos que estão em regime de privação de liberdade sejam vistos pela sociedade não só como presos, mas também como pessoas que querem construir uma nova história de vida.”

 

As professoras acreditam que um passo importante foi dado com a conquista do segundo lugar do concurso, que reconheceu e divulgou o trabalho executado por elas. “A participação no concurso nos deu muito prestígio. Primeiro pelo reconhecimento do nosso trabalho e depois por torná-lo conhecido para a população e, principalmente, pelas autoridades”, ressalta Cristiane.

 

Educação no Sistema Prisional

 

O Centro Educacional 01 de Brasília é uma escola de Educação de Jovens e Adultos (EJA), destinada para alunos da primeira etapa do primeiro segmento (Alfabetização) até a terceira etapa (Ensino Médio) da EJA. A escola foi criada em 2016 e atualmente atende cerca de 1.500 alunos do sistema prisional do Distrito Federal, sendo sete unidades prisionais estaduais, além da Penitenciária Federal de Brasília, inaugurada em 2018.

 

A escola trabalha com um corpo docente de 130 professores, que atendem estudantes do sistema prisional. Além disso, a escola é responsável também pelo desenvolvimento da política pública de remição de pena pela leitura, que estabelece a leitura como forma de reduzir a pena de pessoas privadas de liberdade nos estabelecimentos penais do DF.

 

O ensino dentro do sistema prisional é realizado de segunda a sexta-feira, com turmas no período matutino e vespertino. O Centro de Progressão Penitenciária (CPP), do Setor de Indústrias (SIA), é o único presídio que recebe aulas à noite por conta do regime semiaberto, no qual os alunos trabalham durante o dia e voltam para o presídio à noite.

Governo do Distrito Federal